Após chegar ao cargo no Ministério do Trabalho por indicação de Cameli, Taumaturgo Lima deixa o PT

O ex-deputado federal Taumaturgo Lima anunciou oficialmente que vai deixar o Partidos dos Trabalhadores (PT). A decisão acontece após ele passar alguns meses no cargo de superintendente do Ministério de Estado do Trabalho no Acre, por indicação do senador Gladson Cameli (PP), que comprou briga com líderes da maioria dos partidos do bloco de oposição para conduzir Lima ao cargo de confiança na estrutura da administração do presidente Michel Temer (MDB)

Taumaturgo Lima era considerado uma das grandes lideranças do PT no Vale do Juruá. No PT, ele foi eleito para dois mandatos de deputado estadual e um de federal. Lima anunciou com exclusividade para ac24horas que deixa a o partido na próxima semana. O dissidente petista disse que sai do Partidos dos Trabalhadores por discordâncias e conflitos internos com a direção regional petista, que não estaria respeitando sua história e contribuição na sigla.

Apesar de deixar o PT, Lima garante que continua mantendo uma relação boa com o governador Sebastião Viana e o senador Jorge Viana (PT) e tem muito apreço pela direção do PT no município de Mâncio Lima. Thaumaturgo também relevou que recebeu convites de vários partidos, mas que a aproximação com o PDT é a maior no momento. Lima relevou ainda que recebeu convite de dois partidos de oposição para ser candidato novamente a deputado federal.

“Os partidos da Frente Popular me convidaram, tenho uma aproximação com o PDT do deputado Luiz Tchê. Mas também fui convidado por siglas da oposição. Estou analisando ainda como seguirei. Vou analisar tudo isso, depois da minha desfiliação”, informa o ex-deputado.

Questionado se estaria deixando o partido pelas diversas comprovações de irregularidades que levou vários deputados e ex-ministros presos. Thaumatugo ressaltou que deixa o PT, mas tem muito respeito pela sigla. “O PT foi um dos protagonistas junto com PMDB e outros partidos nos avanços que o Brasil conquistou também. Saio, mas deixou muito amigos e uma história importante. Conquistei três mandatos pela sigla, mas também fiz muito por ela”, finalizou o ex-parlamentar.

O secretário geral do PT no Acre, Cesário Braga, que foi procurado, pois a reportagem não conseguiu falar com o presidente da sigla, deputado Daniel Zen, que estaria no interior do Estado, disse que é lamentável se a decisão de sair do ex-deputado Thaumaturgo se concretizar. “O Thaumaturgo tem sua história respeitada sim pelo partido e sabemos que contribuiu muito junto também outros companheiros lá do Juruá. Não vejo essa discordância ou qualquer tipo de divergência com a direção regional do PT. Ficamos até meio tristes quando ele não saiu para a reeleição em 2014. Mas respeitamos sua decisão. Ele até foi nomeado pelo senador Gladson Cameli no ministério do Trabalho aqui, mas respeitamos por ser uma nomeação pessoal e por Thaumaturgo ser um servidor de carreira do órgão. Mas respeitamos a história e só temos a lamentar se essa for à decisão dele”, disse Braga.

 

fonte: ac24horas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *