Cientistas descobrem moléculas necessárias para a vida em lua de Saturno

Cientistas descobriram a existência de complexas moléculas baseadas em carbono nas águas de Enceladus, uma lua de Saturno.

Até agora, tais moléculas só haviam sido encontradas na Terra e em alguns meteoritos.

Acredita-se que elas tenham sido formadas por reações entre a água e rochas mornas em um oceano subterrâneo de Enceladus.

Embora isso não seja um sinal de existência de vida, indica que a lua de Saturno pode ser capaz de abrigar organismos que já existam.

A descoberta foi feita pela análise de dados coletados pela sonda Cassini.

Precursoras necessárias para a vida

“Essas enormes moléculas contêm uma complexa rede geralmente constituída por centenas de átomos”, diz o autor do estudo, Frank Postberg.

“Trata-se da primeira detecção da história de organismos dessa complexidade em um ambiente aquático extraterrestre.”

Na Terra, tais moléculas geralmente são criadas biologicamente, mas esse pode não ser o caso em Saturno.

“Elas (moléculas) são precursoras necessárias para a vida”, explica Postberg. Mas, no que diz respeito à descoberta em Enceladus, “até o momento não sabemos se esses organismos são irrelevantes biologicamente ou se são sinais de vida ou de química prebiótica”.

Enceladus: Fósforo e enxofre jamais foram encontrados na Enceladus, mas os demais ingredientes necessários à vida estão presentes ali© Press Association Fósforo e enxofre jamais foram encontrados na Enceladus, mas os demais ingredientes necessários à vida estão presentes ali

Para que exista vida, é necessário haver água líquida, energia, matéria orgânica (compostos de carbono) e um grupo particular de elementos (hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre).

O fósforo e o enxofre jamais foram encontrados em Enceladus, mas os demais ingredientes estão presentes ali.

Próximos passos

A Cassini nunca foi projetada para detectar vida – na verdade, a missão espacial foi lançada antes mesmo que os cientistas soubessem a respeito das peculiares fontes de água emergindo do polo sul da Enceladus.

A sonda desintegrou-se em 2017, após passar 13 anos explorando Saturno – e tendo documentado, em 2005, a existência de gêiseres de água congelada ali.

Um detalhe importante é que já existe na Terra uma tecnologia capaz de distinguir se as moléculas encontradas em Saturno têm origem biológica.

“O próximo passo lógico”, diz Postberg, “é voltar em breve à Enceladus para descobrir se há vida extraterrestre ali.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *