DNA: Exame confirma que PF é pai de bebê que morreu após tomar duas mamadeiras no AC

O resultado do exame de DNA confirma que o policial federal Dheymersonn Cavalcante é pai da pequena Maria Cecília, de 2 meses, que morreu após tomar duas mamadeiras de leite artificial. Para a mãe da criança, a enfermeira Micilene Souza, o policial premeditou a morte da menina junto com a mãe dele porque não queria pagar pensão alimentícia.

G1 entrou em contato com o policial, mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta. A reportagem também tentou falar com o delegado responsável pelas investigações, Martin Hessel, mas não teve sucesso.

A informação foi confirmada pela advogada de Micilene, Vanessa Facundes. Segundo ela, o exame já estava pronto há cerca de uma semana, mas foi preciso entrar com um pedido no laboratório para que o resultado fosse retirado pela defesa, já que existe uma medida de restrição envolvendo os pais da bebê.

“Tinha um requisito para que os pais pegassem o resultado juntos, mas minha cliente não tem condições de pegar com ele, até porque ela tem uma medida protetiva. Aí, fiz um requerimento alegando todos os motivos, o laboratório acatou e a gente pegou a cópia nesta quarta”, disse a advogada.

Exame confirmou partenidade — Foto: Arquivo pessoalExame confirmou partenidade — Foto: Arquivo pessoal

Exame confirmou partenidade — Foto: Arquivo pessoal

Para Micilene, o resultado mostra que sempre falou a verdade, que nunca teve dúvidas sobre o resultado, e só fez o exame porque Cavalcante tinha dúvidas sobre a paternidade. Agora, espera que a justiça seja feita sobre o caso.

“Esse resultado só mostra que sempre falei a verdade. Sempre disse que ele era o pai. Ele é que tinha dúvidas. Então quero que seja feita a justiça, porque sendo pai e fez isso com a própria filha, é um erro muito grande”, disse.

Bebê de apenas dois meses morreu por broncoaspiração — Foto: Arquivo pessoalBebê de apenas dois meses morreu por broncoaspiração — Foto: Arquivo pessoal

Bebê de apenas dois meses morreu por broncoaspiração — Foto: Arquivo pessoal

Morte após duas mamadeiras

A bebê de apenas dois meses morreu por broncoaspiração – insuficiência respiratória e obstrução das vias aéreas – no último dia 8 de março, no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), depois de ingerir duas mamadeiras de leite artificial.

A mãe e a criança tinham viajado de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, para a capital acreana dias antes da menina morrer para fazer o teste de DNA pedido pelo policial. Micilene contou que quando descobriu que estava grávida ele se negou a registrar ou dar qualquer assistência.

A enfermeira relatou que o policial chegou a pedir para que ela interrompesse a gestação. Ainda segundo ela, Cavalcante insistiu para vê-la durante a gestação e, em dezembro do ano passado, eles se encontraram em um hotel em Cruzeiro do Sul. De acordo com ela, foi lá que o policial teria tentado fazê-la abortar ao dopá-la.

Policial Federal nega acusações

Em conversa por telefone com o G1 no dia 11 de março, o policial federal negou qualquer envolvimento na morte da filha e classificou as acusações como “absurdas”.

“Ainda estou sob efeito de medicamento, não estou muito bem, estou mal e ainda estou passando por isso. Foi uma história distorcida, são absurdos”, declarou o policial na época.

Cavalcante chegou a dizer que pretendia se posicionar sobre o caso quando estivesse mais calmo. Ele chamou de barbaridades as informações divulgadas em jornais e garantiu que nada condiz com a verdade.

“Entendo que a mãe estava desesperada, eu estava desesperado, minha mãe estava desesperada e tentamos socorrer de todas as maneiras. Estou muito abalado, não estou bem”, lamentou.

FONTE: g1.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *